Artigos

3 situações constrangedoras que os introvertidos conhecem bem

Palavras-chave: introvertidos; introversão; timidez

Por Psicólogo Rodrigo Giannangelo | Publicado em 09 de fevereiro de 2022


O psicólogo e psicanalista suíço Carl Jung descreveu a pessoa extrovertida como aquela cuja energia psíquica se direciona preponderantemente para o mundo externo. Para os extrovertidos, o mundo das outras pessoas é fascinante e energizante.

O fascínio dos introvertidos gira em torno do que lhe acontece internamente. Isso não exclui a importância do mundo externo, mas a relativiza. Os introvertidos frequentemente têm a sensação de que “se bastam”, ou seja, de que não precisam de muita interação.

INTROVERTIDOS

Numa sociedade que valoriza a extroversão, pessoas introvertidas podem parecer um desafio.

De fato, os introvertidos gostariam que os extrovertidos entendessem essas três experiências comuns e constrangedoras abaixo.

1. O efeito “tela de projeção”

Concentrada em seu mundo interior, a pessoa introvertida tem dificuldade de exibir o que sente. Isso pode se refletir em expressões faciais ambíguas.  As pistas visuais enigmáticas de um introvertido podem dar margem a interpretações sociais de seus pensamentos e sentimentos que não condizem com sua realidade interna.

Outra coisa que os introvertidos conhecem bem é que sua tendência à quietude intriga e incomoda. O silêncio do introvertido pode chegar a provocar ansiedade em algumas pessoas.

Em psicologia, sabemos que as pessoas tendem a projetar no mundo significados que trazem internamente. Por exemplo, um marido trai sua esposa e passa a demonstrar ciúme paranoico dela – ele está projetando nela o desejo sexual não-monogâmico que percebeu em si mesmo.

Ou seja, usamos o mundo como tela para projetar o que desejamos ver.

No mesmo sentido, a ambiguidade expressiva dos introvertidos pode ser usada como tela na qual as pessoas ao seu redor vão projetar seus próprios significados e emoções.

Os introvertidos estão acostumados a ser alvo de mal-entendidos e ser rotulados com características que não identificam em si.

INTROVERTIDOS

2. Quando o introvertido é o último a sair

Em eventos sociais, os introvertidos não são os maiores fãs das “rodinhas de conversa”.

Ainda assim, não é incomum encontrá-los em uma até o fim da reunião / festa. É provável que eles já tenham tentado escapar da conversa, mas simplesmente não conseguiram interromper seu(s) interlocutor(es).

Muitos introvertidos estão bem familiarizados com a sensação de serem mantidos reféns de uma conversa. A outra pessoa provavelmente não tem ideia do motivo de ter um público tão fiel.

3. “Você é introvertido e fala?”

 Muitos introvertidos já ouviram: “Ah, você não é introvertido. Você se comunica muito bem!”.

Pessoas introvertidas evitam o excesso de interação social, pois isso lhe custa grande energia psicológica. Ainda assim, eles precisam de relações sociais e sensação de pertencimento.

Os introvertidos não costumam ter qualquer problema de articulação verbal, nem necessariamente odeiam falar. Muitos adoram se comunicar, principalmente a dois, ou sobre assuntos que lhe interessam muito.

Os introvertidos pensam diferente dos extrovertidos. Por isso, tendem a se comunicar de forma diferente. Por exemplo, é comum que pessoas introvertidas não gostem de “conversa fiada”, e prefiram falar apenas quando o assunto é mais sério, ou quando têm mais propriedade sobre ele. Eles ouvem mais do que falam, e seu silêncio pode até ser confundido com desinteresse, mas isso já é tema para uma outra conversa… 😉


RECADO PARA VOCÊ

A pandemia tem afetado o bem-estar de muitas pessoas.

Ansiedade, estresse, medo – aconteceu com você?

Se você não estiver se sentindo bem, procure ajuda.

Clique no botão do WhatsApp abaixo e fale diretamente comigo.


VEJA TAMBÉM

https://rgpsicologia.com/

Deixe uma resposta