Artigos

3 erros que uma pessoa ansiosa comete em relacionamentos

Palavras-chave: pessoa ansiosa; ansiedade; apego; relacionamentos

Por Psicólogo Rodrigo Giannangelo | Publicado em 24 de maio de 2022


Se você é uma pessoa ansiosa, peço que entenda que este texto não tem a intenção de fazê-la(o) se sentir mal.

A ideia é conscientizá-la(o) de alguns padrões comuns a relacionamentos, para que você possa ajustar sua realidade onde achar necessário.

1. Uma pessoa ansiosa detesta mudanças

A ansiedade sabota a mudança. Prefere o que já é conhecido, mesmo quando aquilo não funciona bem.

De fato, a pessoa ansiosa tem muito medo de que tudo sempre possa piorar. Então, pensa: melhor deixar como está.

Recentemente, um paciente teve que lidar, em seu trabalho, com duas mudanças de chefia em poucos meses. Foram dois processos difíceis. A expectativa da troca tornava os dias anteriores quase insuportáveis. Os primeiros dias com o novo chefe eram uma luta. Em vez de aceitar as alterações, ele comparava o chefe atual com o anterior, concluía que o precedente era melhor e não conseguia apreciar possíveis pontos fortes da nova pessoa.

Esse padrão de relação revela pessoas com o chamado estilo de apego preocupado-ansioso. Pessoas com esse estilo podem ter problemas de autoestima e sofrer antecipadamente diante da perspectiva de términos.

O que é possível fazer: exercitar a autocompaixão. Observe se você sente raiva quando ocorrem mudanças, e a quem essa raiva realmente se dirige.

2. Quando a ansiedade é acionada, ‘testa’ figuras de apego

Aqui vai mais uma história. Uma paciente está grávida de 19 semanas. Ela está ansiosa com a possibilidade de que, durante o trabalho de parto, sejam realizadas intervenções que ela não autorizou. A vulnerabilidade da situação do parto pode dificultar ou até inviabilizar a recusa.

Seu obstetra parece muito competente e trata de tranquilizá-la sobre seus medos. No entanto, como a ansiedade já foi acionada, ela frequentemente se sente desconfiada – mesmo reconhecendo que inexiste qualquer razão objetiva. Ela vai a todas as consultas do acompanhamento pré-natal com a mesma lista de intervenções que não deseja que lhe ocorram. Sente vontade de testar se o médico realmente entende e aceita suas condições, da forma compreensiva e respeitosa como parece ser.

Quando a ansiedade é desencadeada, a pessoa ansiosa pode ter vontade de testar se suas figuras de apego gostam dela, se a aceitam e respeitam. Às vezes, esses testes são tão exaustivos que acabam sendo autossabotadores, pois realmente irritam a outra pessoa.

O que é possível fazer: Em vez de testar as pessoas, conte a elas o que desencadeou sua ansiedade. Como no item anterior, tente compreender e processar qualquer sentimento de raiva internamente, em vez de projetá-lo em sua figura de apego.

3. Se alguém aborda problemas reais, a pessoa ansiosa expõe preocupações

As preocupações das pessoas ansiosas estão sempre muito próximas da consciência.

Tome como exemplo a ansiedade (medo) de adoecer. Se um amigo precisa do seu apoio para um problema de saúde que está enfrentando, isso pode funcionar como gatilho para suas próprias preocupações. Então, você pode começar a pensar sobre seus medos (ou mesmo ter vontade de falar sobre eles), perdendo o foco da conversa e desconsiderando a demanda emocional da outra pessoa.

Isso pode ser bastante prejudicial à relação, pois seu amigo já está passando pelo problema e, para você, é apenas uma preocupação.

O que é possível fazer: novamente, observe seus impulsos e atue sobre eles compreensivamente. Busque meios de elaborar seus medos fora das conversas em que um amigo precisa de apoio para um problema concreto.

pessoa ansiosa

Se você se identifica com algum desses padrões, não precisa se envergonhar. Eles são parte de como os estilos de ansiedade e apego funcionam.

Ser uma pessoa ansiosa também pode ter suas vantagens. Quer um exemplo? Antecipar coisas que podem dar errado pode ser útil. Mais um? A ansiedade pode ajudar as pessoas a ter aquela sensibilidade social que a língua portuguesa sintetiza no delicioso termo “simancol”, uma vez que você se preocupa intensamente em ser percebido positivamente pelos outros.

Para todas as desvantagens de sua natureza ansiosa, há meios de aprender a contornar.

Existem muitos padrões de interação associados à ansiedade. Os três aqui expostos são apenas uma pequena amostra. Tente notar qualquer outro que você tenha. Que impulsos comportamentais você tem quando fica ansioso? Como isso afeta seus relacionamentos? O que você pode fazer em vez disso?


RECADO PARA VOCÊ

O mundo pós-pandemia tem afetado o bem-estar de muitas pessoas. Ansiedade, estresse, medo – acontece com você?

Se não estiver se sentindo bem, procure ajuda.

Clique no botão abaixo e fale comigo.


VEJA TAMBÉM

https://rgpsicologia.com/

Um comentário em “3 erros que uma pessoa ansiosa comete em relacionamentos”

Deixe uma resposta